Vacinas

HEPATITE B ( ADULTO E INFANTIL)

Indicação: Proteção contra a hepatite causada pelo vírus B.

Quem pode se vacinar: Crianças, adultos e idosos. A vacina integra a rotina de imunização infantil, mas é recomendada para indivíduos de todas as idades.

Contraindicações: Gerais de todas as vacinas: quadro febril agudo ou alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina.

Esquema de doses:
Crianças e adultos: três doses, sendo a segunda um ou dois meses após a primeira, e a terceira seis meses após a primeira dose. A primeira dose das crianças deve ser administrada nas primeiras 12 a 24 horas de vida, pois 90% dos recém-nascidos que são contaminados durante o parto desenvolvem hepatite crônica.
Prematuros com menos de 2000g ou 36 semanas de gestação: recomendam-se obrigatoriamente quatro doses, sendo a primeira com 12 a 24 horas de vida, a segunda com um mês de idade, a terceira um mês após a segunda dose e a terceira seis meses após a segunda dose.
Imunodeprimidos e pacientes renais crônicas: é necessário analisar resposta imunológica para se avaliar necessidade de modificação deste esquema, conforme indicação médica.
Obs: no sistema público, em virtude da vacina de tríplice de células inteiras combinada à vacina do hemófilo b e da hepatite B ser a única disponível para a rotina das crianças até 6 meses de idade, uma dose extra da vacina da hepatite B precisou ser acrescentada aos 4 meses de idade

Eventos Adversos: Raros (menos de 5%). Geralmente reações locais (calor, vermelhidão, dor), até 24 após a aplicação.

Apresentações:
Vacina Simples: Vacina hepatite B infantil e adulto
Vacinas Combinadas: Vacina Hepatite A e B
Hexa: Tríplice acelular (DTPa) + Hib + IPV + Hepatite B (infantil)

Via de aplicação: Intramuscular.

HEPATITE A ( ADULTO E INFANTIL)

Indicação: Proteção contra a hepatite causada pelo vírus A, que é transmitido por água e alimentos contaminados, principalmente em áreas endêmicas e com saneamento básico precário.

Quem pode se vacinar: Crianças a partir de 1 ano de idade, adultos e idosos.

Contraindicações: Alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina.

Esquema de doses: 2 doses, sendo a segunda 6 meses após a primeira. A escolha da formulação pediátrica ou adulta dependerá da idade do paciente.

Eventos Adversos: Raros (menos de 5%). Reações locais são as mais comuns, até 24 após a aplicação.

Apresentações:
Vacina Simples: Vacina Hepatite A adulto e pediátrica
Vacinas Combinadas: Vacina Hepatite A e B.

Via de aplicação: Intramuscular.

TRÍPLICE BACTERIANA ( DTPA)

A vacina contra a difteria, o tétano e a coqueluche pode estar combinada com outras vacinas e a escolha e a indicação da apresentação são prerrogativas do médico.

Indicação: Proteção contra a difteria, tétano e coqueluche. A vacina acelular é menos reatogênica do que a vacina de células inteiras dos postos de saúde. Integra a rotina de vacinação para crianças a partir dos 2 meses aos 7 anos de idade.

Contraindicações: Crianças a partir de 7 anos de idade; hipersensibilidade aos componentes da vacina (anafilaxia), encefalopatia dentro de 7 dias após vacinação imunização prévia da vacina com o componente pertussis (coqueluche); alergia grave (anafilaxia) a componentes da vacina.

Esquema de doses: 3 doses+ reforços – a primeira dose com 2 meses de idade, a segunda com 4 meses e a terceira com 6 meses. Um reforço aos 15 meses e outro reforço entre 4 e 6 anos de idade. Após isso, reforço de 10 em 10 anos com a vacina DT(dupla do tipo adulto) ou, preferencialmente, com a vacina dTpa (tríplice bacteriana acelular do tipo adulto).

Eventos Adversos: Febre e reações locais (dor, vermelhidão e edema) são as mais comuns. Raramente pode ocorrer: irritação, choro intenso, síndrome hipotônica-hiporresponsiva.

Apresentações: Vacina tríplice bacteriana acelular pediátrica: DTPa. Vacina tríplice combinada a outras vacinas:
Tetra Hib – DTPa + Hib (tríplice + hemófilo b)
Tetra HB – DTPa + HB (tríplice + hepatite B)
Tetra com polio – DTPa + IPV (tríplice + pólio inativada)
Quíntupla – DTPa + Hib + IPV (tríplice + hemófilo b + pólio inativada)
Sextupla – DTPa + Hib + IPV + HB (tríplice + hemófilo b + pólio inativada + Hepatite B)
As vacinas DTPa e  combinadas são apresentadas em monodose; apresentações com hemófilo b têm liófilo a ser diluído

Via de aplicação: Intramuscular.

HAEMOPHILUS

Indicação: Proteção contra infecções invasivas causadas pelo Haemophilus influenzae tipo b (meningite, pericardite, pneumonia, artrite e osteomielite).

Quem pode se vacinar: A vacina integra a rotina de imunização infantil e pode ser recomendada para adultos e idosos em situações de risco para doenças causadas peloHaemophilus influenzae tipo b.
A VACINA PODE ESTAR COMBINADA COM OUTRAS VACINAS OU ISOLADAMENTE. A ESCOLHA E A INDICAÇÃO SÃO PRERROGATIVAS DO MÉDICO.

Contraindicações: Tanto para a vacina simples quanto para a vacina combinada, apenas as contraindicações gerais de todas as vacinas: alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina.

Esquema de doses:
Crianças a partir de 2 meses: três doses, aos 2, 4 e aos 6 meses de idade, e um reforço aos 15 meses de idade.
Indivíduos com riscos especiais: dose única.

Eventos Adversos: São raros e geralmente locais. Podem ocorrer nas 24/48 horas seguintes à aplicação.

Apresentações:
Vacina Simples: Haemofilus Influenzae b
Vacinas Combinadas: Tetra Hib: Tríplice bacteriana acelular (DTPa) + Hib
Quíntupla: Tríplice Bacteriana acelular (DTPa) + Hib + Pólio injetável
Sextupla: Tríplice Bacteriana acelular (DTPa) + Hib + Pólio injetável + Hepatite B

Via de aplicação: Intramuscular.

POLIOMIELITE

Indicação: Proteção contra a infecção pelo vírus da pólio e suas complicações (paralisia infantil). A vacina oral viva contra a poliomielite (VOP ou Sabin) só está disponível  no sistema público, na rotina de vacinação para crianças a partir de 6 meses e campanhas. A vacina inativada injetável  da poliomielite (VIP)  está disponível na rede pública para as duas primeiras doses do esquema vacinal. Na rede privada está disponível em formulações combinadas com outras vacinas, tanto para crianças como para adultos.

Quem pode se vacinar: Crianças a partir de 2 meses, adolescentes e adultos. A vacina VIP é especialmente recomendada para indivíduos que irão viajar para locais onde a doença é endêmica.

Contraindicações: Alergia a um dos componentes da vacina. A apresentação oral é de vírus vivos, sendo portanto contraindicada em pacientes imunodeficientes. A apresentação injetável é inativada, não havendo esta contraindicação.

Esquema de doses:
Crianças a partir dos 2 meses: três doses, aos 2, 4 e 6 meses de idade, um reforço aos 15 meses e outro reforço aos 4-5 anos.
Indivíduos que viajarão para áreas de risco: dose única de vacina contendo VIP.

Eventos Adversos: A vacina oral pode raramente causar reações gastrintestinais discretas. A vacina injetável pode causar eventos locais como dor e vermelhidão.

Apresentações:
Vacina simples: VIP – disponível apenas na rede pública para as doses de 2 e 4 meses de idade e nos Centros de Referencia em Imunobiológicos Especiais (CRIE), para situações específicas. Formulação isolada não está disponível na rede privada.
VOP – disponível apenas em postos de saúde
Vacinas combinadas (apenas na rede privada):

  • Quíntupla: dTPa + Hib + VIP (Tríplice bacteriana acelular+ Hemófilo b + pólio injetável)
  • Sextupla: dTPa + Hib + VIP + Hepatite B (Tríplice + Hemófilo b + pólio injetável + hepatite B)
  • Tetra com polio infantil: DTPa+VIP (Tríplice +pólio injetável)
  • Tetra com polio para crianças a partir de 4 anos, adolescentes e adultos: dTpa+VIP (Tríplice +pólio injetável)

ROTAVIRUS

Indicações: Imunização contra infecções gastrintestinais causadas pelo rotavírus.
EXISTEM DUAS VACINAS DIFERENTES CONTRA O ROTAVÍRUS, COM ESQUEMAS VACINAIS DIFERENTES. A ESCOLHA ENTRE AS VACINAS É PRERROGATIVA MÉDICA.

Quem pode ser vacinar: Bebês a partir de 6 semanas de vida, SENDO QUE A PRIMEIRA DOSE PODE SER FEITA NO MÁXIMO ATÉ 14 SEMANAS DE VIDA.

Contraindicações: Imunodeficiência congênita ou adquirida; uso de imunossupressores (quimioterapia, radioterapia); reação alérgica grave a um dos componentes da vacina; doença gastrintestinal crônica; malformação congênita do trato digestivo; história prévia de invaginação (intussuscepção) intestinal, quadro febril agudo moderado a grave.

Esquema de doses:
Vacina monovalente: duas doses, a primeira a partir de 6 semanas e antes de 14 semanas de vida. O intervalo entre as doses é de 2 meses, aceitando-se um mínimo de 4 semanas. A segunda dose não deve ser aplicada após 7 MESES E 29 DIAS DE VIDA.
Vacina pentavalente: três doses, a primeira entre 6 e 12 semanas (no máximo até 14 semanas de vida), a segunda com intervalo mínimo de 4 semanas da primeira dose (entre 10 e 22 semanas) e a terceira no máximo até  32 semanas, com intervalo mínimo de 4 semanas entre as doses. Caso a primeira dose não tenha sido aplicada até 14 semanas de vida, a vacinação não poderá mais ocorrer. A terceira dose não deve ser aplicada após 32 semanas de vida.

Reações Adversas: sintomas gastrointestinais leves.

Via de aplicação: Ambas as vacinas têm aplicação oral e não há necessidade de jejum antes ou depois da aplicação. Em casos de vômitos e regurgitação, não há necessidade de repetir a dose.

PNEUMO CONJUGADA

Indicação: Proteção contra infecções invasivas causadas pelo pneumococo.

Quem pode se vacinar: A vacina pneumocócica 13-valente protege contra 13 sorogrupos de pneumococos e é licenciada para crianças a partir de 2 meses até 6 anos de idade incompletos e para adultos a partir de 50 anos. A vacina pneumocócica 10-valente está licenciada para crianças a partir de 2 meses até 5  anos de idade.

Contraindicações: Quadro febril agudo ou alergia grave a um dos componentes da vacina.

Esquema de doses:
Crianças de 2 a 6 meses de idade: três doses + uma dose de reforço – primeira dose o mais precocemente possível, a partir de 2 meses de vida, segunda dose 2 meses após a primeira, terceira dose 4 meses após a primeira. Reforço entre 15 e 18 meses.
Obs: quando a vacinação é iniciada fora desta faixa etária, o esquema de vacinação pode sofrer alterações.

A VPC13 é recomendada para maiores de 60 anos. Está licenciada a partir dos 50 anos de idade, ficando a critério médico sua recomendação nessa faixa etária. O esquema de vacinação do adulto combina a vacina pneumocócica conjugada 13 valente e a vacina pneumocócica polissacarídica 23-valente.
Obs: Idosos, crianças e adolescentes portadores de doenças de risco, para infecção pneumocócica (imunodeprimidos, cardiopatas e pneumopatas, asplênicos, entre outras) podem receber uma ou duas dose da vacina pneumocócica 13-valente, independentemente do histórico vacinal prévio. Na presença destas situações de risco também é recomendado esquema de vacinação combinando a vacina pneumocócica conjugada 13 valente e a vacina pneumocócica polissacarídica 23-valente.

Eventos Adversos: Dor, vermelhidão e enduração locais. Pode haver sintomatologia sistêmica, como febre, perda de apetite, irritabilidade.

Via de aplicação: Intramuscular.

MENIGONCOCICA CONJUGADA

Indicação: Proteção contra as meningites causadas pelos meningococo tipo C.

Quem pode se vacinar: Crianças a partir de 2 meses, adolescentes, adultos e idosos. É a vacina de escolha para as duas primeiras doses do esquema infantil.

Contraindicações:  alergia grave a um dos componentes da vacina.

Esquema de doses:
Crianças de 2 meses a 6 meses de idade: primeira dose o mais precocemente possível a partir de 2 meses de vida, a segunda dose 2 meses após a primeira. Pode ser utilizada nos reforços de 12-15 meses e dos 5 e 11 anos de idade, na impossibilidade de utilização da vacina meningocócica ACWY. Reforços posteriores deverão ser avaliados por médicos, em situações de risco.
Obs: quando a vacinação é iniciada fora da faixa etária dos seis primeiros meses de vida, o esquema de vacinação pode sofrer alterações.

Reações Adversas: Dor, vermelhidão, enduração locais. Podem ocorrer  febre e irritabilidade.

Apresentações:

Vacina para Meningite C Conjugada com Toxóide Diftérico – Meningitec (Pfizer)
Vacina para Meningite C Conjugada com Toxóide Tetânico – Neisvac-C (Baxter)
Vacina para Meningite C Conjugada com Toxóide Diftérico – Menjugate (Novartis)

MENINGOCOCICA B

Indicação: Proteção contra doença meningocócica invasiva (meningite, meningococcemia) causada pelo meningococo do tipo B.

Quem pode se vacinar: Crianças a partir de 2 meses, adolescentes e adultos até 50 anos de idade.

Contraindicações: Apenas as contraindicações gerais de todas as vacinas: quadro febril agudo ou alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina.

Esquema de doses:

  • Crianças até 6 meses: três doses aos 3, 5 e 7 meses de idade (intervalo de 2 meses entre as doses), com um reforço entre 12 e 15 meses.
  • Crianças entre 7 e 11 meses: duas doses com intervalo de 2 meses e reforço entre 12 e 15 meses de idade, com intervalo mínimo de 2 meses da última dose.
  • Crianças entre 12 meses e 10 anos de idade: duas doses com intervalo de dois meses.
  • Crianças a partir de 11 anos, adolescentes e adultos: duas doses com intervalo de um mês.

Eventos Adversos: reações locais (dor, vermelhidão, inchaço e calor no local da aplicação) e febre, principalmente nas seis primeiras horas após a vacinação, que geralmente regride em 72 horas.

Via de aplicação: Intramuscular.

 

INFLUENZA (GRIPE)

Indicação: Proteção contra infecções causadas por vírus influenza (gripe) e suas complicações.

Quem pode se vacinar: Crianças a partir de 6 meses, adultos e idosos.

Contraindicações: Alergia (anafilaxia) a um dos componentes da vacina, alergia (anafilaxia) à proteína de ovo.

Esquema de doses:
Crianças de 6 a 35 meses: no primeiro ano em que são vacinadas, duas doses de 0,25 ml com intervalo de um mês entre elas. A partir de então, doses únicas anuais.
Crianças de 3 a 8 anos: no primeiro ano em que são vacinadas, duas doses 2 doses de 0,5 ml com intervalo de um mês entre elas. A partir de então, doses únicas anuais.
Adultos e crianças a partir de 9 anos: dose única anual de 0,5 ml.

Eventos Adversos: Febre, dor e vermelhidão no local da aplicação até 24/48 horas após a vacinação.

Via de aplicação: Intramuscular.

TRÍPLICE VIRAL

Indicação: Proteção contra rubéola, caxumba, sarampo e suas complicações.

Quem pode se vacinar: Crianças a partir de 12 meses, adultos e idosos.

Contraindicações: Imunodeprimidos, gestantes e alergia grave (anafilaxia) a um dos componentes da vacina, alergia grave a ovo de galinha (anafilaxia).

Esquema de doses:
Crianças a partir de 12 meses: uma dose aos 12 meses, e reforço entre 15 e 24 meses.
Crianças a partir de 2 anos de idade e adultos: duas doses com intervalo mínimo de um mês. A vacina pode ser aplicada a qualquer momento, em qualquer idade, exceto durante a gestação. Idealmente todo adulto deve ter a comprovação de duas doses da vacina, aplicadas em qualquer momento da vida.
OBS: para mulheres em idade fértil, é recomendado evitar engravidar nos 30 dias seguintes à vacinação.

Eventos adversos: Raros, mas quadro gripal com ou sem exantema ou aumento da parótida podem surgir 7 a 10 dia após a aplicação.

Via de aplicação: Subcutânea ou intramuscular.

VARICELA

Indicação: Proteção contra a varicela (catapora).

Quem pode se vacinar: Crianças a partir de 12 meses de idade, adolescentes e adultos.

Contraindicações: Imunodeprimidos, gestantes, crianças menores de 9 meses, alergia grave a componentes da vacina ou a dose prévia da vacina (anafilaxia).

Esquema de doses:
Crianças de 12 meses até 2 anos: 2 doses, a primeira a partir dos 12 meses de idade e a segunda entre 15 e 24 meses de idade, respeitando-se intervalo mínimo de 3 meses. A aplicação a partir de 9 meses deve ser feita sob orientação médica e esta dose deve ser desconsiderada.
Crianças maiores de 2 anos e menores de 13 anos: 2 doses, a segunda 3 meses após a primeira.
Crianças maiores de 13 anos e adultos: 2 doses com intervalo mínimo de 1 mês entre elas.

Via de aplicação: Subcutânea ou intramuscular.

Obs: Apenas a vacina do laboratório GSK está licenciada para aplicação em crianças a partir dos nove meses de idade.

HPV

Atualmente existem duas vacinas diferentes contra o HPV. Cabe ao médico decidir qual vacina será recomendada.

Indicações: Protege contra as doenças causadas pelo papiloma vírus humano (HPV). Alguns tipos de HPV estão envolvidos no surgimento das verrugas genitais (ou condilomas) e outros tipos relacionam-se ao desenvolvimento de câncer genital (colo de útero, vulva, vagina, pênis, ânus). Virtualmente todo câncer de colo de útero é causado por infecção pelo HPV.

Quem pode se vacinar: Duas vacinas estão disponíveis no Brasil: uma contendo os HPVs dos tipos 6, 11, 16, 18,  licenciada para meninas, meninos e jovens de 9 a 26 anos de idade e outra, contendo os HPVs dos tipos 16 e 18 , licenciada para meninas e mulheres a partir dos 9 anos de idade.A vacinação de mulheres com mais de 26 anos, com ambas as vacinas, é considerada segura e eficaz por órgãos regulatórios de muitos países. Mulheres mesmo que previamente infectadas podem se beneficiar da vacinação.

Contraindicações: Hipersensibilidade aos componentes da vacina (anafilaxia), e gestação (pois não existem estudos de segurança).

Esquema de doses: 3 doses, sendo a segunda um ou dois meses após a primeira  e a terceira seis meses após a primeira. A vacina HPV deve ser iniciada o mais precocemente possível, a partir de 9 anos de idade. O PNI adotou esquema de vacinação estendido: 0-6-60 meses para meninas menores de 13 anos

Reações Adversas: geralmente locais (dor, vermelhidão, inchaço, prurido). Reação sistêmica (febre) também é rara.

Via de aplicação: Intramuscular.